19 de agosto de 2011

Promessas em palavras


Às vezes, tenho o medo das palavras. Espécies aparentemente insignificantes, mas muitas vezes com a dimensão do universo para quem as escuta, e, por ironia da vida, para quem as pronuncia significam tanto como uma gota de chuva na imensidão que é o oceano. Chamemos a esse conjunto de temerosas palavras de promessas. Quando esse conjunto de palavras é recitado, mesmo que da boca para fora, ao redor do seu destinatário entrelaçam-se sentimentos de esperança e confiança no mesmo. Porém, mais tarde, apercebemos-nos que as palavras não passam de apenas isso, de palavras, e então, esses laços são quebrados, restando apenas as feridas da queda, a desilusão, e o medo de voltar a cair. Este medo, que faz das hesitações constantes verdades, apareceu-me ainda antes de recear as certezas dos outros, chegou-me mal eu tinha ainda razão para ter medo. E o ter medo, qualquer que seja ele, é pior do que passar pelo erro, é não passar por nada, é ter sempre este pé cá fora, calçado, com atacadores em nó firme, tudo devido ao medo de tropeçar novamente. E o medo é tão poderoso, que reduzimos a zero a segurança sentida, e assim não seguimos em frente, e nem sequer voltamos atrás  é querer morrer ali mesmo, pelo tempo necessário à resolução de todos os problemas. Esta impotência psicológica sempre me pareceu fraqueza de espírito, mas é mais difícil de aceitá-la quando nos vimos rodeados de medos profundos. Porém, medos todos os temos, mas há quem os enfrente, e por outro lado, quem continue com o pé atrás, impedindo-se assim de prosseguir. E eu, apesar de tudo, prefiro correr o risco de tropeçar novamente, do que ficar a meio do caminho.

5 comentários:

• cláudiasofiagomes disse...

lindo!

dreamywriter disse...

As palavras podem ser muito bonitas mas também muito cruéis. Está lindo. :')

Inês Pinto disse...

Gostei muito do texto :)

Anónimo disse...

descreves-te exactamente como me sinto, está tudo tao sincero :) adoro visitar o teu blog! Continua!:)

Ana disse...

Muito obrigada mesmo, é bom saber isso. E continuarei pois :) *